Sustentável : Que Bicho é Esse?

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

CONTABILIDADE AMBIENTAL ...lá se vai meu sonho de Cinderela....

SONHO DE CINDERELA

Achou que se tratava do príncipe encantado? Enganou-se! Trata-se do sapatinho de cristal ! Toda mulher tem paixão por sapatos! Isso é sustentável? Sei lá....só sei que amo de paixão...e vc?

Quanto do nosso salário é destinado aos pares incríveis de sapatos? Conseguimos usar todos? O que fazemos com eles depois de um certo tempo? Pois é, temos que tratar deste tema e relacioná-lo à contabilidade ambiental, tema aparentemente chato e difícil,  porém nada melhor do que recorrer à uma grande mulher, a professora Araceli Ferreira, diretora da UFRJ e uma expert nesse assunto, que desmistifica o conceito e mostra que mulheres sabem sim fazer contabilidade ambiental.Porém escorregam no quesito SAPATOS quando mostra a insustentabilidade em se adquirir centenas de pares.

O desenvolvimento da Contabilidade Ambiental é o resultado da necessidade de oferecer informações adequadas às características de uma gestão ambiental. É importante frisar que Contabilidade Ambiental não se refere a uma nova contabilidade, mas a um conjunto de informações que relatam adequadamente, em termos econômicos, as ações de uma entidade que modifiquem seu patrimônio. Esse conjunto de informações não é outra contabilidade, mas uma especialização.

Brincadeiras à parte, segue um artigo da revista valor econômico que retrata a importância deste tema na atualidade:

Contabilidade ambiental – Empresas e meio ambiente.

Publicado por Pedro Paulo Grizzo Serignolli em Direito Ambiental na Revista Ecológica

Normas ambientais entram em pauta e causam polêmica
Valor Econômico - Paola de Moura, do Rio
Em tempos em que a chamada sustentabilidade parece ser cada vez mais valorizada, a ponto de investidores começarem a levar em conta a maneira em que as empresas tratam o meio ambiente, o Conselho Federal de Contabilidade (CFC) discute a implantação de novas normas para que companhias – de capital aberto ou fechado – destaquem em suas demonstrações financeiras ativos, passivos e receitas ambientais. As regras, que estão em audiência pública até o dia 25 deste mês, não estão isentas de polêmica entre as entidades e setores envolvidos.

A professora Aracéli Cristina Ferreira, da Faculdade de Contabilidade da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), uma das responsáveis pela elaboração das novas normas, explica que o objetivo não é apenas técnico, mas sim social. “Queremos padronizar para que os contadores possam seguir normas ao fazer o relatório anual da empresa”, explica.

A ideia é que, ao analisar um balanço, o investidor consiga visualizar de forma mais fácil como a empresa enxerga seus dados referentes ao ambiente. Com isso, dentro do balanço, ativos, passivos, receita e custo ambientais estarão destacados separadamente.

Há quem discorde da novidade. Antonio Castro, presidente da Associação Brasileiro de Companhias Abertas (Abrasca), diz que o CFC precisa incentivar mais o balanço social e não aumentar e dificultar ainda mais a demonstração das empresas. “É uma forma só de enfeitar os balanços, de vestir um terno novo no que já existe”, critica Castro.

Segundo a professora, a “Norma Brasileira de Contabilidade Técnica Específica (NBC TE) – Interação da entidade com o ambiente”, como foi batizada, não é uma nova contabilidade e sim uma adequação da atual. Para a professora, a mudança não terá mesmo grande impacto nos resultados.

Mesmo quem é a favor da mudança aponta desvantagens. Alexsandro Broedel Lopes, professor da Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras (Fipecafi), lembra que qualquer demanda por novas informações gera custo.

Broedel, no entanto, lembra que o projeto faz parte da evolução da contabilidade que saiu do foco das empresas e do acionista para a sociedade de uma forma geral. “A questão ambiental é um das facetas da sustentabilidade.”

Aracéli Ferreira explica que outro objetivo da criação da norma é acostumar os contadores com esses dados. “Eles não estão acostumados a lidar com os termos específicos da área, por isso, criamos um anexo com exemplos de como demonstrar os dados.” Com mais critérios, os passivos e ativos ambientais serão mais bem representados no balanço. A minuta traz sugestões de métodos de avaliação do ambiente.

Atualmente, por exigência da legislação, os setores de mineração, siderurgia, petróleo, têm que ter tudo registrado no balanço. No entanto, a modificação trará mais transparência para o leitor de balanços, segundo Aracéli.

Ernesto Cavasi, gerente da consultoria PricewaterhouseCoopers (PwC), acredita que a leitura ficará mais fácil. “Além disso, muitas empresas negligenciavam um pouco essa parte ambiental, por falta de conhecimento e obrigação”, conta. Ele acredita que, quando entrar em vigor a norma, será criada uma nova cultura entre os contadores.

Reginaldo Alexandre, diretor técnico da Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais (Apimec-SP), acrescenta que apesar do custo, haverá um benefício associada à mudança. “A sustentabilidade tem um apelo positivo para o investidor. Assim como a governança tem hoje um valor e influencia no preço das ações, a questão ambiental também [começa a ter].”

Isso porque o mercado associa a questão ambiental ao risco e também ao acesso a crédito. Para Alexandre, as empresas vão ter que atender a demanda porque ela é crescente no mercado e, por isso, é importante que haja uma norma, um procedimento sistemático. Com isso, vão aprender a lidar melhor com esses ativos.

Um dos exemplos é citado por Leonardo Dutra, gerente da consultoria Ernst & Young. “As empresas vão aprender a trabalhar melhor com o ambiente, a gerar caixa, por exemplo, com a venda de material reciclável e sucata”, lembra Dutra.

Além disso, para Aracéli Ferreira, o resultado é que isso vai dar uma informação de melhor qualidade para a empresa gerenciar. Se provisionar separadamente, vai poder fazer ações mais eficazes para evitar os passivos maiores no futuro, causando um resultado positivo para a própria empresa e para a sociedade.

Contudo, muitos dos destaques vão ter que ser divulgados em notas explicativas. No entanto, se a empresa fizer um relatório ambiental auditado, pode identificar a página do relatório. Com isso, a nova regulamentação pode também melhorar a qualidade desses relatórios, estabelecendo um padrão. Atualmente, poucas empresas fazem o relatório ambiental e a maioria das que elaboram o documento não o audita, explica Ernesto Cavasi, da PwC. A nova norma pode trazer mais destaque e credibilidade para o documento.

Depois da audiência, a norma ainda precisa ser analisada pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) e pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) para entrar em vigor.

Confira o projeto da norma no link abaixo:

http://www.cfc.org.br/uparq/NBC_TE_INTERACAO_DA_ENTIDADE_MEIO_AMBIE...

PRAC - Programa de Responsabilidade Ambiental Compartilhada - Logística Reversa de Baterias Chumbo Ácidas

Tive o prazer de trabalhar em 2008 e 2009 ao lado do empresário/empreendedor  André Luis Saraiva e hoje com muito orgulho apresento à vocês a trajetória de sucesso do PRAC:

Em 2000, com a publicação da Resolução CONAMA 257/99 (atual 401/08) que estabelece os procedimentos corretos para a destinação ambientalmente adequada de pilhas e baterias que contenham em suas composições chumbo, cádmio e mercúrio, identificou-se a oportunidade de criar no mercado um programa que adotasse a postura de conscientizar as empresas sobre como armazenar, coletar, transportar e destiná-las adequadamente dentro de padrões sustentáveis, reduzindo a necessidade de importação de chumbo para os fabricantes de baterias e impulsionando a reciclagem dessa matéria prima secundária no País.

Assim em 2001, André Luis Saraiva idealizou o PRAC - Programa de Responsabilidade Ambiental Compartilhada, para tornar-se um facilitador no descarte adequado de baterias chumbo ácido, demonstrando critérios rigorosos de conformidade legal e de sustentabilidade para a preservação do meio ambiente. Este novo modelo de negócio proporcionou segurança e agilidade na tomada de decisões, bem como clareza e objetividade das análises ambientais, validando indicadores e obtendo uma forma transparente de comunicar resultados sustentáveis à sociedade.

Em 2007, transformou o PRAC em Empresa, descolando sua imagem anterior de Programa dentro de um fabricante, para ampliar seus horizontes. Estendeu seu olhar para a necessidade que apontava o mercado em acreditar que os processos de destinação adequada levassem a uma recuperação de valores tangíveis e intangíveis para as empresas, neste sentido, redesenhou o PRAC como uma ferramenta socioambiental, criando o Practique - Responsabilidade Social, instrumento que apóia os programas sociais da parceira e recicladora - Tamarana Metais Ltda.

Após sua consolidação no descarte de baterias chumbo ácido no Brasil, o PRAC estabeleceu parceria com o fabricante de baterias Automotivas Rondopar Energia Acumulada Ltda., criando em 2008 o Projeto ENERGIA RESPONSÁVEL - Baterias PRAC, antecipando integralmente as exigências que em 2010 estariam inclusas na Política Nacional de Resíduos Sólidos – PNRS. O objetivo desta ação foi estimular o consumo consciente e o uso racional dos recursos naturais esgotáveis, prevenindo danos ao meio ambiente e à saúde humana. Ao adquirir as Baterias PRAC, o cliente estabelece a melhor relação custo benefício, pois lhe é garantido o fornecimento de energia e lhe é assegurado por contrato todo o processo de logística reversa exigida no marco regulatório da PNRS.

O sucesso do PRAC é balizado não só pelos Prêmios e Reconhecimentos que vem recebendo ao longo dos seus 10 anos de história, mas, por ser uma empresa que, de forma pró-ativa, vem realizando a Logística Reversa através da reciclagem das baterias e do reaproveitamento dos seus insumos na mesma cadeia produtiva, protegendo os recursos naturais, onde o produto renasce com as mesmas propriedades garantindo a sustentabilidade do negócio.

Em 2010 o PRAC alçou vôo internacional e começou a exportar seu conceito através de suas baterias para Cuba. Em 2011 visa estreitar sua relação comercial com outros países da America Central na intenção de instalar parques industriais com padrões de sustentabilidade, através da transferência desta tecnologia em logística reversa de baterias chumbo ácido tornando-os auto-suficiente, propondo soluções integradas e responsáveis na recuperação de valores ambientais, evidenciando o conceito PRAC de Sustentabilidade.

Acesse o site: www.prac.com.br

TÁ PILHADA ? ENTÃO FIQUE ANTENADA !!!

TÁ PILHADA ? ENTÃO FIQUE ANTENADA !!!

Vivemos num mundo em constante movimento. Tudo se renova numa velocidade cada vez maior. Quando se trata de aparelhos eletrônicos, o avanço tecnológico é implacável. Mal aprendemos a lidar com um aparelho e já desejamos outro mais novo.

Só é possível pensar que essas mudanças trarão benefícios à sociedade, se cultivarmos uma cultura de reaproveitamento e reciclagem dos produtos que consumimos, com foco na preservação do meio ambiente e na oportunidade de geração de emprego e renda.


O grande problema do momento diz respeito à famosa Responsabilidade Pós-Consumo.

Após um longa espera de mais de 20 anos, em 2010 foi promulgada a Política Nacional de Resíduos Sólidos, sendo assim já há preceitos legais sobre o tema, bem como o Decreto 7.704/2010 que regulamenta e estabele as normas para a execução da Política Nacional de Resíduos Sólidos – Lei 12.305/2010

E por falar em consumo e meio ambiente, vamos abordar a Resolução CONAMA 257 (atual 401/08), que trata da responsabilidade pós-consumo quanto às pilhas e baterias. Trata-se de um grande desafio com relação a este “lixo eletrônico”, porém já encontramos empreendedores pró-ativos que descobriram na dificuldade uma grande oportunidade, a exemplo do PRAC – Programa de Responsabilidade Ambiental Compartilhada  www.prac.com.br (próxima publicação).


O Programa Municipal de Recolhimento de Lixo Eletrônico promovido pelo Gabinete do Vereador Gilberto Natalini foi lançado na 1ª Virada Sustentável na Cidade de São Paulo nos dias 4 e 5 de junho de 2011, no Parque Ibirapuera ,com a coleta de lixo eletrônico como celulares antigos, televisores, micro-ondas, máquina fotográfica, bateria, pilha, computador e carregador. Foram recolhidas 27 toneladas de lixo eletrônico...sucessso absoluto!






"....Esse tipo de produto não pode ser jogado nos lixos comuns, pois contamina o solo. “Além de causar prejuízos à saúde humana, contamina água e solo”, explicou Tatiana Tucunduva, organizadora da campanha.








quinta-feira, 18 de agosto de 2011

PLANETA SUSTENTÁVEL....BRASIL SUSTENTÁVEL...

O site Planeta Sustentável publicou uma interessante matéria no dia 2 de agosto de 2011 sobre a  PNRS - Política Nacional de Resíduos Sólidos que completou um ano.

"...Na verdade, nesta contabilização, se deve somar pelo menos duas décadas, tempo em que vem sido discutida. Segundo anúncio do Ministério do Meio Ambiente, a primeira versão do Plano Nacional de Resíduos Sólidos será colocada em discussão e receberá contribuições da sociedade em audiências públicas regionais, no mês que vem e em novembro. As contribuições ainda poderão ser dadas por meio da consulta pública, que estará disponível na internet. A versão final será apresentada na Audiência Pública Nacional, programada para novembro, em Brasília.

Os planos estaduais, Microrregionais e de Regiões Metropolitanas, intermunicipais e municipais têm o prazo de um ano para serem criados. Os Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Especiais ficam sob determinação dos municípios. Outra meta ambiciosa da PNRS é acabar de vez com os lixões até 2 de agosto de 2014 e implementar a coleta seletiva em todo o país.

A humanização descrita pela lei foi reforçada por meio da sanção do decreto nº 7.405/2011 - Programa Pró- Catador. Tudo indica que a legislação é uma lei que ‘vai pegar’. Desde sua promulgação e regulamentação*, em dezembro do ano passado, pelo menos, o que se registra são dezenas de encontros, seminários e capacitações, atraindo a atenção de todos os segmentos da sociedade.

Um dos aspectos mais interessantes do documento é o fato de inovar com a introdução da responsabilidade compartilhada, o que do ponto de vista da democracia, dá uma sensação ‘mais inclusiva’.

Segundo o deputado federal Arnaldo Jardim, é importante recordar que foi difícil se construir essa lei, cuja proposta tramita desde 1991, mas que se baseou em experiências mais antigas. "Na década de 70, foi sancionada a Lei de Proteção de Mananciais, em São Paulo. O que se viu à época, é que mesmo assim, num prazo muito rápido, os 100 mil que estavam irregularmente morando às margens da Represa passaram para mais de 1 milhão".

O parlamentar explica, que com base nesses tipos de situações extremas, se decidiu formatar a PNRS. A primeira proposta foi apresentada há 20 anos e depois se somaram diferentes projetos, como de incineração, de aterros, entre outros, totalizando 148 propostas. O desafio foi constituir uma comissão de parlamentares para analisar todo esse conteúdo", contou no Workshop de Implementação de Política Nacional de Resíduos Sólidos e seu Decreto de Regulamentação: Aspectos Jurídicos e de Gestão Integrada, realizado pela Prana Assessoria e Gestão Ambiental, em São Paulo, neste ano.


sexta-feira, 12 de agosto de 2011

DESAFIO DO SÉCULO XXI : RECICLAGEM DE ATITUDES!

Reciclar o pensamento, reciclar o corpo, reciclar o mundo... Reciclar resíduos sólidos que ainda vão direto para o lixo, enfim... RECICLAR ATITUDES!!!!!
Revelar o universo da reciclagem de alumínio, papel, vidro e PET, sob alguns aspectos, é a intenção desse blog. Quais os tipos desses materiais que podem realmente ser reciclados, quem são os atores envolvidos e quais os benefícios dessa atividade. (Resíduos eletroeletrônicos serão o tema da próxima publicação).

O que está por trás dos índices de reciclagem? Se, por um lado, o Brasil lidera a reciclagem de latas de alumínio , pois esse é um dos materiais mais bem vistos no mercado, a reciclagem do papel ainda corresponde a quase metade do consumo nacional. Já o PET e o pneu tem sido bem aproveitado.

Entretanto ainda se faz necessário profissionalizar a atividade, ou seja, transformar este catador em um stakeholder importante no processo, tornando-o um empresário deste mercado, com resgate da sua dignidade humana, ao ser respeitado e reconhecido.

Enfim, quais serão os rumos sustentáveis dentro desse negócio? Vejam alguns exemplos:

RECICLAGEM DE PLÁSTICO:



 RECICLAGEM DE PAPEL:


RECICLAGEM DO VIDRO:


RECICLAGEM DE ALUMINIO:


RECICLAGEM DE PNEUS:









sábado, 30 de julho de 2011

DO LIXO AO LUXO....SERÁ?

DO LIXO AO LUXO.... SERÁ?

Sabe-se que há três reinos: o animal, o vegetal e o mineral. Vilém Flusser, filósofo alemão, aponta a existência do quarto reino – o lixo – criado pela sociedade do consumo.

O lixo, hoje já chamado de resíduos sólidos, tanto representa um grande problema, como pode ser a solução para a vida de muita gente.

Sob essa ótica, num primeiro momento,  pensemos nas atitudes de determinadas pessoas em relação ao lixo gerado, com o intuito de esclarecer como fazer a coleta seletiva desses resíduos sólidos e qual a melhor destinação para eles.

Não basta fazer a coleta seletiva, é preciso pensar como esse “lixo” vai ser recolhido. Portanto, apontam-se algumas opções de coleta, entre a coleta seletiva municipal, a coleta por cooperativas de catadores, por empresas particulares ou, ainda, postos de coleta.

Coloca-se em foco o papel dos catadores, homens e mulheres que tiram do “lixo” o sustento de sua família, apontando a importância da atividade dessas pessoas, ainda que elas necessitem de profissionalização e reconhecimento.

Casos de mulheres à frente de posições estratégicas nas empresas, sejam nas áreas ambiental, de sustentabilidade ou de responsabilidade social, também são mostrados, cujo objetivo maior, ao final do episódio, é perceber que é possível dar uma destinação sustentável aos resíduos sólidos.

Fiz uma visita em 2005 no Aterro de Gramacho, no Rio de Janeiro e fiquei impressionada com as centenas de pessoas que viviam em condições sub humanas.  

Estamos em  2011 e parece que as coisas ainda não mudaram tanto de lá para cá, infelizmente!

Assistam ao documentário: "Lixo Extraordinário" que relata a trajetória do lixo dispensado no Jardim Gramacho, maior aterro sanitário da América Latina localizado na periferia de Duque de Caxias (RJ), até ser transformado em arte pelas mãos do artista plástico Vik Muniz e seguir para prestigiadas casas de leilões internacionais.

quarta-feira, 13 de julho de 2011

A DANÇA DAS MUDANÇAS

“vem: prima e vera
                               virão: verão

                                                      vou: tono tomba

                                                                                  em verso inverso”
Pedro Xisto, Danças das Mudanças, 1979

A terra não pertence ao homem, o homem pertence à terra. Todas as coisas estão interligadas, o que quer que esse homem faça à terra, fará a si mesmo. Tudo muda o tempo todo no mundo e nós também temos que nos adaptar a estas mudanças. E se não mudarmos???? a gente dança....

Com tantas agressões ao meio ambiente e, por conseqüência, agressões ao próprio homem, esse bolg procura incitar seu conhecimento sobre como o aquecimento global afeta diretamente a sociedade, quais as diferenças entre efeito estufa e buraco na camada de ozônio, passando por redução de emissões, economia de energia e consumo consciente. 

Sob o princípio das “responsabilidades comuns, porém diferenciadas”, elemento fundamental dos atuais acordos sobre mudança do clima, tais ações devem ser empreendidas por todos os habitantes do planeta, na medida de suas capacidades individuais , organizacionais ou governamentais.
Vide exemplo sobre a importância do Protocolo de Kyoto, assim como iniciativas que têm contribuído para a conservação da Mata Atlântica, destacando a participação de entidades do terceiro setor, como a S.O.S. Mata Atlântica.

segunda-feira, 27 de junho de 2011

PURA SEDUÇÃO CRISTALINA

A água é um dos elementos que compõem a essência da natureza e, portanto nossa própria essência, pois nosso corpo e composto por 70% de água. Capaz de contornar obstáculos, a água exerce muitas formas e exerce fascínio sobre os seres humanos. A vida nasce com a água, responsável pelo germinar da semente e pela vida humana.

Mexer com as águas é mexer com as emoções! A sedução está implícita e explícita no elemento água.

Esse texto propõe uma incursão pelo reino das águas, sinônimo de vida. É preciso pensar em formas de resguardar um dos recursos mais importantes para a manutenção da vida: a água.

Sem falsos alardes, são passadas informações relevantes a respeito dos recursos hídricos, como estão distribuídos no planeta, e de que forma estão sendo utilizados.  Como agir de forma sustentável no que se refere à preservação da água, à sua utilização e reutilização?

Lembre-se que a água é um indicador para avaliar se uma sociedade caminha em direção ao desenvolvimento sustentável ou não, e é ela que imediatamente registra o estado do mundo .

Ficam as perguntas: a água é um direito de todos ou um privilégio de poucos? Se a vida veio da água e a água vem sendo tratada como mercadoria, que valor tem se dado à própria vida?

 Alertar para a defesa das águas é uma contribuição para uma  verdadeira evolução em direção a um mundo de Paz.

As respostas aparecem na medida em que esses assuntos são discutidos, todos interligados, com exibição de iniciativas de pessoas, empresas e entidades que buscam possíveis soluções para os desafios envolvendo a defesa da água.

O Projeto Mulheres das Águas, que nasceu do desejo de revitalizar o Ribeirão das Brancas (municípios de São João D´Aliança e Água Fria de Goiás), principal fornecedor de águas para a região, e da oportunidade de valorizar a participação das mulheres no encaminhamento de questões ligadas ao meio ambiente, é um bom exemplo, entre outros que são mostrados.



quarta-feira, 22 de junho de 2011

TECENDO A SUSTENTABILIDADE

Qual é a importância do terceiro setor quando falamos em sustentabilidade? Será que uma Ong é sustentável?

O verdadeiro papel das entidades do Terceiro Setor é o de produzir mudanças em sua população, sejam elas ligadas ao meio ambiente, à saúde, à educação, às condições de sobrevivência, etc. Com isso, ao medir o desempenho dessas instituições devem ser observadas as metas definidas pela organização, se sua missão está sendo cumprida e se seus “serviços” estão alcançando e as pessoas a que se destinam e, por fim, se esse papel está sendo cumprido com a eficaz utilização dos recursos econômicos.

Portanto, mesmo as instituições cujo lucro é atividade “meio” e não “fim”, podem ser avaliadas segundo critérios econômicos e financeiros, desde que para isto se tenha o cuidado de observar se a missão da organização está sendo levada a cabo e se ela está efetivamente sendo um agente de mudanças humanas.

Uma outra importante pergunta que se deve fazer, em instituições sem fins lucrativos, é se os escassos recursos econômicos estão sendo aplicados exatamente onde estão os resultados. Peter Druker em seu livro Administração de Organizações Sem Fins Lucrativos, adverte:

 Acreditar que tudo aquilo que fazemos é uma causa moral, que deve ser perseguida haja ou não resultados, é uma tentação perene para os executivos de instituições sem fins lucrativos. Porém, mesmo que a causa em si seja moral, é melhor que a maneira pela qual ela é perseguida produza resultados.”

 Repararam que é a visão Triple Botton Line? Ambiental, social e econômico de forma isonômica? Apesar das dificuldades encontradas pelas ONGs, elas contribuem na disseminação de informações sócio-ambientais quando trabalham em teias, na construção de cadeias virtuais de divulgação do seu trabalho junto à sociedade e muitas vezes, fazendo o papel do governo.

Vide a trajetória de sucesso da entidade Afroreggae na pacificação de conflitos em áreas de risco, no Rio de Janeiro.

sexta-feira, 17 de junho de 2011

SER A BELA E A FERA EM SUSTENTABILIDADE

SER A BELA E A FERA EM SUSTENTABILIDADE


Enfeitar-se é um ritual tão grave.
A fazenda não é um mero tecido,
é matéria de coisa.
É a esse estofo que com meu corpo eu dou corpo.
Ah, como pode um simples pano ganhar tanta vida?
Meus cabelos,
hoje lavados e secados ao sol do terraço,
estão da seda mais antiga.
Bonita?
Nem um pouco, mas mulher.
Meu segredo ignorado por todos e até pelo espelho:
mulher.
           Clarice Lispector, Jornal do Brasil, 23.11.1968


Um dos melhores indicadores de desenvolvimento sustentável é a existência de ações simultâneas e coordenadas, voltadas para três objetivos: o desenvolvimento nas dimensões social, econômica e ambiental. A isso se dá o nome de visão triple bottom line.

O tema desse episódio é estabelecer um paralelo entre o pessoal e o profissional, levando o público a refletir sobre sustentabilidade intrínseca e extrínseca, ou seja, entre o ser e o estar sustentável.

 Como podemos ser uma empresa ambientalmente responsável , socialmente justa e economicamente viável, se não tivermos incorporado este conceito nas nossas atitudes pessoais?

 Uma empresa socialmente responsável é aquela que possui a capacidade de ouvir os interesses das diferentes partes stakeholders (acionistas, funcionários, prestadores de serviço, fornecedores, prestadores de serviço, consumidores, comunidade, governo e meio ambiente) e consegue incorporá-los no planejamento de suas atividades, buscando atender às demandas de todos. Será que agimos desta forma em nossas relações pessoais?

Na teoria tudo parece muito bonito, porém, na prática, não é uma tarefa simples. Como ser uma mulher bela, doce, suave e ao mesmo tempo uma fera, determinada, imponente e respeitada no mundo empresarial? O que isso significa e como se reflete nas nossas vidas?

Como nada é impossível para a mulher de hoje, o convido a permear o dia-a-dia feminino, em ambientes sociais distintos, sempre com a preocupação de ser sustentável. Do café da manhã em família à decisão de um grande investimento corporativo.

quarta-feira, 15 de junho de 2011

O SABOR DO SABER SER

“Qual é essa educação que tornará o homem bom sem ser débil, forte sem ser monstruoso, livre de todos os excessos e fanatismos, e equilibrado ao mesmo tempo no universo a que pertence, na sociedade em que vive e no indivíduo que é?”

Cecília Meireles, A Manhã, 06.09.1941  

A temática gira em torno da educação ambiental, pressuposto fundamental para o desenvolvimento sustentável, quais os desafios e como educar as gerações de hoje e de amanhã.

 A construção de um planeta sustentável exige uma nova consciência, requer que a sociedade repense valores e mude comportamentos, devendo ajudar a desenvolver uma consciência ética sobre todas as formas de vida com as quais compartilhamos neste planeta, respeitando seus ciclos vitais e impondo limites à exploração dessas formas de vida pelos seres humanos.

Porém, num país de contrastes como Brasil, a relação com o meio ambiente modifica-se de acordo com o próprio entorno, das grandes cidades às tribos indígenas, das grandes empresas às ONGs.
A idéia é mostrar as iniciativas das empresas. das pessoas físicas e dasONGs voltadas à educação ambiental.




terça-feira, 14 de junho de 2011

NO SEIO DA SUSTENTABILIDADE

Nós, mulheres, trazemos a vida, assim como a mãe natureza... e com ela a beleza, a harmonia, a arte, a história e a cultura da nossa terra.

Extenso papel exerce a mulher ao personificar a “mãe gentil desta Pátria Amada”, ao deixar valer a sua natureza feminina que tanto contribui para que se alcance os ideais descritos no preâmbulo da nossa Constituição Federal e seus artigos sobre Direitos Fundamentais.

O que está em debate é a ação do ser humano sob o prisma dos princípios que fundamentam o paradigma de PROGRESSO, ou seja, a viabilidade da continuidade das atividades sem impactos sociais, econômicos ou ambientais, adversos de longo prazo, que transponham os impactos benéficos na transparência sobre ações e impactos e o desejo de divulgá-los de maneira clara, honesta e completa á toda sociedade.

É preciso tomar consciência e agir de forma sustentável, não podemos continuar no estado de cegueira e indiferença frente a tantos desafios a vencer. Sendo assim, mostraremos cases de mulheres que fazem a diferença.

NO SEIO DA SUSTENTABILIDADE

Nós, mulheres, trazemos a vida, assim como a mãe natureza... e com ela a beleza, a harmonia, a arte, a história e a cultura da nossa terra.
Extenso papel exerce a mulher ao personificar a “mãe gentil desta Pátria Amada”, ao deixar valer a sua natureza feminina que tanto contribui para que se alcance os ideais descritos no preâmbulo da nossa Constituição Federal e seus artigos sobre Direitos Fundamentais.

O que está em debate é a ação do ser humano sob o prisma dos princípios que fundamentam o paradigma de PROGRESSO, ou seja, a viabilidade da continuidade das atividades sem impactos sociais, econômicos ou ambientais, adversos de longo prazo, que transponham os impactos benéficos na transparência sobre ações e impactos e o desejo de divulgá-los de maneira clara, honesta e completa á toda sociedade.

É preciso tomar consciência e agir de forma sustentável, não podemos continuar no estado de cegueira e indiferença frente a tantos desafios a vencer. Sendo assim, mostraremos cases de mulheres que fazem a diferença.

MÃE NATUREZA

É sabido que para toda ação haverá uma reação! Foi exatamente isso que aconteceu com nossa mãe natureza.O ser humano ultrapassou todos os limites ao utilizar os recursos naturais como se fossem infinitos.

E o que você tem a ver com isto? Tudo! A ação humana vem deteriorando o meio ambiente e você não pode ficar parado esperando...faça sua parte! Conheça como surgiu o tema sustentabilidade e qual sua importância para a humanidade.

Para se ter uma noção da dimensão do tema, o episódio faz uma breve retrospectiva histórica, destacando a criação da Comissão Brundtland, na década de 80, e um grande encontro de nações para tratar de questões ambientais: a ECO-92. Fato, inclusive, que serviu como pano de fundo para a música “Forever Green”, do grande Tom Jobim.

A Comissão Brundtland trouxe o conceito de “desenvolvimento sustentável”, assim entendido como a capacidade de satisfazer as necessidades econômicas, sociais e ambientais das atuais gerações, sem comprometer a capacidade das gerações futuras em prover suas próprias demandas.

Fruto da ECO-92, a famosa Agenda 21 é um programa de ação para viabilizar a adoção do desenvolvimento sustentável e ambientalmente racional em todos os países.

Mais do que marcos históricos, esses fatos começaram a nortear os caminhos rumo ao desenvolvimento sustentável. Esse episódio retrata a repercussão disso até os dias de hoje, mostrando, por exemplo, ações prioritárias da Agenda 21 brasileira.

O ponto mais importante dessas ações é o planejamento de sistemas de produção e consumo sustentáveis contra a cultura do desperdício.


segunda-feira, 13 de junho de 2011

SUSTENTABILIDADE: QUE BICHO É ESSE QUE TODOS FALAM, POUCOS FAZEM E A MAIORIA NÃO SABE O QUE É?

SUSTENTABILIDADE
PALAVRA DE ORDEM


ESTÁ NAS BOCAS, CABEÇAS, EMPRESAS. MAS, AFINAL, ESTAMOS FALANDO DE QUÊ????

DE VOCÊ !
DA VIDA !
DO MUNDO !

ENTÃO PODEMOS MUDAR O MUNDO? SIM. UM POUQUINHO POR DIA, TODOS OS DIAS!

MÃOS À OBRA !!!


"Conceito de desenvolvimento sustentável - entendido como o desenvolvimento que atende às necessidades do presente sem comprometer a possibilidade das futuras gerações de atenderem às suas próprias necessidades. (Brundtland)"

SUSTENTABILIDADE QUE BICHO É ESSE?

Este blog propõe buscar informação e apresentação de cases sobre qualidade de vida e bem estar, num momento em que tanto se fala em sustentabilidade, onde muitos não a entendem e poucos a incorporam. Instigo você internauta compartilhar informações, sair do estágio de reflexão e partir para a ação!

Convido você a perceber que toda atitude individual reflete no coletivo, mostrando ações e interações sociais que contribuem com o meio ambiente, geram oportunidades e mudam realidades, propondo esse olhar sustentável sob a ótica do feminino. (Homens são muito bem vindos! Postem suas opiniões).
 
A idéia é tratar sobre o tema no mundo empresarial e pessoal, onde a mulher se coloca diante dos desafios da sociedade moderna – entre o machismo dominante e as conquistas femininas – e como ela se relaciona de forma sustentável com o seu meio ambiente compreendido como o corpo individual, o corpo social e o corpo cultural, sem dissociá-lo.

Retratar este universo apaixonante de ser, ao mesmo tempo, a mulher  empresária, a  consumidora, a  sedutora , a amante, a mãe que  procura lidar com todos os papéis na condição de SER mulher e obter o sucesso com felicidade é sem dúvida falar de sustentabilidade.

Ser mulher é ser moderna, instruída e interessante, sem perder seus atributos de mulher, esposa e mãe. É dividir-se entre as atividades da casa e do trabalho, sem deixar de exalar a sua feminilidade... É cultivar a sua capacidade de ser compreensiva,sensível, solidária, terna, humana!

Educar para a sustentabilidade do planeta, educar para um novo mundo. A Terra é nossa casa - como tal, deve ser respeitada e não somente explorada. Pense globalmente, aja localmente. É preciso repensar a sociedade, o setor reprodutivo e a própria sociedade de consumo.

Embora esta preocupação seja mundial, este blog considera a realidade sócio-cultural e econômica brasileira.

Convido todas as pessoas que se interessam pelo tema SUSTENTABILIDADE, não só as mulheres, pois a intenção não é ser excludente, muito pelo contrário,  busco a harmonia entre os sexos e o entendimento sob a cada óptica, para alcançarmos o Desenvolvimento Sustentável com qualidade de vida !!!!